NEWS
Pioneiros do maior radiotelescópio do mundo reunidos em Lisboa
2019 maio 07

O radiotelescópio Australian Square Kilometre Array Pathfinder (ASKAP). Créditos: CSIROA emissão no rádio, da galáxia 3C31. Créditos: Volker Heesen and the LOFAR surveys team.
Especialistas de todo o mundo estão reunidos em Lisboa para apresentar e discutir projetos que poderão influenciar o desenvolvimento do próximo maior radiotelescópio do mundo. De 6 a 10 de maio, membros do grupo de trabalho SKA Pathfinder Radio Continuum Survey (SPARCS) juntam-se na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) para o encontro “SPARCS IX – Pathfinders get to work”, coorganizado pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA1).

Este grupo de trabalho congrega projetos e infraestruturas que têm vindo a traçar o caminho para o futuro radiotelescópio Square Kilometre Array (SKA2), que ficará espalhado por dois continentes. Portugal é um dos países fundadores da organização intergovernamental que irá construir o SKA, o SKAO, fundada no passado dia 12 de março3.

O grupo SPARCS procura coordenar esforços e partilhar experiências para otimizar a exploração do Universo através de rastreios de áreas do céu em rádio frequências. O objetivo destes rastreios é compreender a formação e a evolução das galáxias ao longo da história do Universo e a sua relação com as grandes estruturas cósmicas, que são domínios de pesquisa ativa no IA. O IA participa há vários anos no desenvolvimento de vários desses rastreios.

“Este encontro, que reúne investigadores associados aos melhores radiotelescópios existentes, permitirá promover e consolidar a participação portuguesa em vários dos projetos percursores do SKA e no desenvolvimento do próprio SKA”, comenta José Afonso, coordenador do IA, investigador da FCUL e membro do Comité de Organização Científica deste encontro SPARCS IX.

Os precursores do SKA são radiotelescópios da próxima geração, ou atualizações de infraestruturas correntes, distribuídos por países como a Austrália, a África do Sul, os Países Baixos, o Reino Unido, os EUA, ou a Índia. Estão a testar e a implementar as tecnologias que irão permitir atingir as capacidades de rastreio inéditas de que se pretende dotar o SKA. Neste encontro em Lisboa, serão discutidos resultados científicos, na linha dos objetivos de pesquisa do SKA, assim como estudos sobre a validação dos dados, as metodologias de formação de imagem, ou a aplicação de inteligência artificial à análise dos dados em radioastronomia.

Rastreios do céu no rádio, com o futuro SKA, permitirão aos astrónomos catalogar mais rapidamente milhões de objetos, por exemplo núcleos de galáxias ativos na primeira idade do Universo, assim como detetar fenómenos súbitos e momentâneos que poderão ser posteriormente monitorizados por observações mais localizadas.


Notas
  1. O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) é a maior unidade de investigação na área das Ciências do Espaço em Portugal, integrando investigadores da Universidade do Porto e da Universidade de Lisboa, e englobando a maioria da produção científica nacional na área. Foi avaliado como “Excelente” na última avaliação que a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) encomendou à European Science Foundation (ESF). A atividade do IA é financiada por fundos nacionais e internacionais, incluindo pela FCT/MCES (UID/FIS/04434/2019).
  2. O Square Kilometre Array é uma iniciativa internacional para construir o maior radiotelescópio do mundo. Não se trata de um único telescópio, mas de um conjunto de telescópios espalhados por uma grande área. Será construído na Austrália e na África do Sul, com expansões posteriores em ambos os países e noutros países africanos. O Square Kilometre Array Observatory (SKAO) é uma organização intergovernamental constituída, para já, pelos seguintes sete países membros fundadores: Austrália, África do Sul, China, Itália, Países Baixos, Portugal e Reino Unido.
  3. Ver comunicado de imprensa do IA de 12 de março de 2019, “Estão colocadas as fundações do maior radiotelescópio do mundo”.

Contactos

José Afonso

Grupo de Comunicação de Ciência
Sérgio Pereira
Ricardo Cardoso Reis
João Retrê
 (Coordenação, Lisboa)
Daniel Folha (Coordenação, Porto)

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço Universidade do Porto Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa
Fundação para a Ciência e a Tecnologia COMPETE 2020 PORTUGAL 2020 União Europeia