NEWS
Exoplaneta de “algodão doce” poderá ser planeta com anéis
2020 março 06

Simulação do trânsito do exoplaneta HIP 41378 f. Crédito: Tania Cunha (Planetário do Porto – Centro Ciência Viva)/Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço.Babatunde Akinsanmi
Uma equipa internacional1, liderada por investigadores do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA2), procurou uma explicação para a densidade inesperadamente baixa do exoplaneta HIP 41378 f. Este trabalho3, liderado pelo aluno de doutoramento Babatunde Akinsanmi (IA & Faculdade de Ciências da Universidade do Porto - FCUP), encontrou evidências estatísticas que apontam para que o planeta seja semelhante a Urano, com um sistema de anéis em volta, inclinado de cerca de 25 graus, que se estende de 1,05 a 2,59 vezes o diâmetro do planeta.

Akinsanmi, um astrofísico nigeriano galardoado com uma bolsa PhD::SPACE na Universidade do Porto, explica que: “estes planetas de ‘algodão doce’ são uma classe rara de exoplanetas, com densidades muito menores do que a dos planetas gigantes do Sistema Solar. É difícil explicar estas densidades tão baixas e por isso resolvemos investigar o que se passava.

O HIP 41348 f faz parte desta classe de exoplanetas. Tem o período orbital mais longo dos exoplanetas pouco densos descobertos até hoje e estimou-se que seria 8 vezes menos denso que Saturno (cuja densidade média já é menor que a da água), o que o tornaria altamente anormal.

O que descobrimos foi que a presença de anéis à volta deste planeta pode facilmente explicar o observado. Os anéis fazem com que o diâmetro do planeta pareça muito maior durante um trânsito4”, comenta Akinsanmi. “Quando esta informação é combinada com uma estimativa da massa, determinada pelo método da velocidade radial5, leva ao cálculo de uma densidade demasiado baixa”, explica o astrofísico.

Para Susana Barros (IA): “neste momento, o HIP 41378 f é o melhor candidato que temos de um planeta com anéis fora do sistema solar. Esperamos conseguir confirmar observacionalmente a existência destes anéis brevemente. Além disso, este sistema planetário é muito interessante por ter 5 planetas em trânsito, com vários tamanhos e possivelmente composições diferentes.” De todos os sistemas exoplanetários conhecidos, apenas o sistema HIP 41378 apresenta estas características.

Akinsanmi acrescenta ainda: “O nosso resultado para o HIP 41378 f mostra que a hipótese de este ser um planeta com anéis é tão plausível como o modelo que mostra que é mesmo só um planeta, mas a existência de anéis torna o planeta mais ‘normal’. Por isso, estender esta investigação a outros exoplanetas ‘algodão doce’ pode revelar mais anéis ‘escondidos’.

Nuno Cardoso Santos (IA e Dep. de Física e Astronomia da FCUP) esclarece que: “apesar de neste momento não termos em mãos uma prova cabal, as observações e os modelos que desenvolvemos sugerem que é bem possível que se tenha descoberto, pela primeira vez, um exoplaneta com anéis. Uma descoberta que, não sendo totalmente inesperada, nos faz sonhar.


Notas
  1. A equipa é composta por: B. Akinsanmi (Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, Dep. Física e Astronomia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto & National Space Research and Development Agency of Nigeria), N. C. Santos (Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, Dep. Física e Astronomia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto), J. P. Faria (Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço) M. Oshagh (Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, Institut für Astrophysik, Georg-August-Universität Göttingen), S. C. C. Barros (Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço), A. Santerne (Aix Marseille Univ, CNRS, CNES, LAM) e S. Charnoz (Institut de Physique du Globe de Paris (IPGP)).
  2. O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) é a instituição de referência na área em Portugal, integrando investigadores da Universidade de Lisboa e da Universidade do Porto, e englobando a maioria da produção científica nacional na área. Foi avaliado como “Excelente” na última avaliação de unidades de investigação e desenvolvimento organizada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT). A atividade do IA é financiada por fundos nacionais e internacionais, incluindo pela FCT/MCES (UID/FIS/04434/2019).
  3. O artigo “Can planetary rings explain the extremely low density of HIP 41378 f?” foi aceite para publicação na revista Astronomy & Astrophysics (DOI: 10.1051/0004-6361/202037618).
  4. O Método dos Trânsitos consiste na medição da diminuição da luz de uma estrela, provocada pela passagem de um exoplaneta à frente dessa estrela (algo semelhante a um micro-eclipse). Através de um trânsito é possível determinar apenas o raio do planeta. Este método é complicado de usar, porque exige que o(s) planeta(s) e a estrela estejam exatamente alinhados com a linha de visão do observador.
  5. O Método das Velocidades Radiais deteta exoplanetas medindo pequenas variações na velocidade (radial) da estrela, devidas ao movimento que a órbita desses planetas imprime na estrela. A título de exemplo, a variação de velocidade que o movimento da Terra imprime no Sol é de apenas 10 centímetros por segundo (cerca de 0,36 km/h). Com este método é possível determinar o valor mínimo da massa do planeta. No entanto, em conjunto com o método dos trânsitos, é possível determinar a massa real.

Contactos
Babatunde Akinsanmi
Susana Barros
Nuno Cardoso Santos

Grupo de Comunicação de Ciência
Ricardo Cardoso Reis
Sérgio Pereira

Daniel Folha (Coordination, Porto)
João Retrê (Coordination, Lisboa)

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço Universidade do Porto Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa
Fundação para a Ciência e a Tecnologia COMPETE 2020 PORTUGAL 2020 União Europeia